Mundo & História
Pinguins tiram milhares de cochilos todos os dias | Mundo & História
Foto: Lieutenant Philip Hall / NOAA.

Pinguins tiram milhares de cochilos todos os dias

De acordo com um novo estudo, a impressionante habilidade das aves de tirarem cochilos pode ser uma adaptação a um ambiente de interrupções constantes.

Durante o curso de um único dia, pinguins adormecem milhares de vezes, cada episódio com apenas alguns segundos de duração, de acordo com um novo estudo publicado esta semana na revista Science.

Embora os animais tenham uma ampla variedade de estilos de sono, os pinguins facilmente detêm o recorde de sono fragmentado. “Isso é realmente incomum”, disse Paul-Antoine Libourel, um neurocientista do Centro de Pesquisa em Neurociência de Lyon, na França, que ajudou a fazer a descoberta. “Isso destaca o fato de que não sabemos muito sobre o sono, e nem todos os animais estão dormindo da maneira como lemos nos livros didáticos.”

A forma como os animais dormem

A ciência do sono começou no início dos anos 1900, quando pesquisadores usaram eletrodos no couro cabeludo para descobrir que as pessoas produzem ondas cerebrais lentas quando cochilam. Eles encontraram padrões de ondas semelhantes em ratos, pombos e outros animais em cativeiro. Com o tempo, os cientistas descobriram que praticamente todos os animais estudados passam algum tempo todos os dias sem responder ao ambiente. Até as águas-vivas dormem, apesar da ausência de um cérebro.

Mas a forma como os animais dormem varia muito. Morcegos pardos, por exemplo, permanecem dormindo por 20 horas por dia, enquanto girafas se viram com menos de duas horas. Os cérebros humanos se desligam completamente quando dormimos, enquanto as focas podem desligar um lado; com o outro ainda acordado, elas conseguem continuar nadando enquanto cochilam.

À medida que os dispositivos tecnológicos se tornaram menores e mais poderosos, os pesquisadores descobriram que os padrões de sono documentados em animais em cativeiro são significativamente diferentes daqueles observados na natureza. Em zoológicos, por exemplo, preguiças dormirão quase 16 horas por dia. Mas em uma floresta tropical no Panamá, os cientistas observaram os animais dormindo menos de 10 horas.

Os cochilos do pinguim-de-barbicha

Em 2019, o Dr. Libourel e seus colegas rastrearam animais dormindo em um ambiente ainda mais remoto: a Ilha Rei George, a apenas 112 quilômetros ao norte da Antártida. Won Young Lee, um pesquisador do Instituto de Pesquisa Polar da Coreia, convidou o grupo para acompanhá-lo à ilha, onde milhares de pares reprodutores de pinguins-de-barbicha se reúnem em colônias de nidificação para criar seus filhotes. Em dezembro de 2019, os pesquisadores equiparam os pinguins com eletrodos e outros sensores que registraram sua atividade por até 11 dias.

As aves dividem seu tempo entre nadar no oceano e permanecer nos ninhos para manter seus ovos e filhotes aquecidos. Entre cada viagem ao mar, que durava cerca de nove horas, os pinguins passavam, em média, 22 horas se revezando no cuidado de seus filhotes.

Pinguins tiram milhares de cochilos todos os dias | Mundo & História
Capa da revista Science com a matéria sobre os cochilos dos pinguins / Divulgação.

Enquanto estavam no oceano, os pássaros mal dormiam, gastando apenas três por cento do tempo descansando na superfície do mar, concluiu o estudo. Quando os pinguins retornavam aos seus ninhos, suas ondas cerebrais desaceleravam para um padrão típico de pássaros dormindo – mas apenas por alguns segundos. Eles acordavam novamente, apenas para dormir novamente. As aves passaram por esse ciclo 600 vezes em uma hora.

Leia também: Tubarão com 518 anos faz rara aparição no Caribe

Os humanos também podem experimentar esse tipo de microssono, embora geralmente apenas após não terem uma boa noite de sono. Isso pode ser perigoso, especialmente se estivermos cochilando ao volante de um carro. Mas para os pinguins-de-barbicha, o microssono é a norma!

Por que tantos cochilos entre os pinguins-de-barbicha?

O Dr. Libourel especulou que os padrões de sono deles refletem as condições extremas em que cochilam. As colônias de pinguins são barulhentas e lotadas, com pássaros constantemente caminhando de um lado para o outro entre o oceano. Os habitats também são perigosos: a qualquer momento, uma ave semelhante a uma gaivota chamada de estercorário pode mergulhar em um ninho e comer ovos ou filhotes.

O fato de os pinguins conseguirem dormir tanto apesar de todas essas perturbações sugere para o Dr. Libourel que o microssono proporciona algum benefício essencial. Cientistas propuseram muitos benefícios possíveis do sono. Alguns acreditam que o cérebro precisa disso para se livrar de seu lixo celular, enquanto outros argumentam que o cérebro, durante o sono, ajusta suas conexões celulares.

No entanto, Vladyslav Vyazovskiy, um neurocientista da Universidade de Oxford que não estava envolvido na pesquisa, questionou o quanto os pinguins se beneficiam de rajadas fugazes de sono. É possível, argumentou, que possamos estar pensando no sono ao contrário. Pode ser a configuração padrão para o cérebro animal, e os cientistas deveriam tentar explicar por que os animais acordam quando o fazem. “Basicamente você passa sua vida dormindo e apenas acorda quando é necessário”, disse o Dr. Vyazovskiy.

Via The New York Times.

Mundo & História está no Instagram, WhatsApp, X, Facebook, Telegram e Google Notícias. Não deixe de nos acompanhar por lá!

Mario Cavalcanti

Jornalista pioneiro no campo da internet brasileira, Mario Cavalcanti começou a trabalhar com conteúdo online em 1996, tendo passado por portais de destaque como Cadê?, StarMedia Brasil, iBest, Globo.com e Click21. Gosta de assuntos como mistérios, criptozoologia, expedições e descobertas científicas. É editor do portal Mundo & História e também coeditor da revista de contos Histórias Extraordinárias, da Editora Mundo.

Do passado ao futuro. Dos confins do universo às profundezas do mar. Mundo & História é um portal de notícias focado essencialmente em conteúdos de teor científico, curioso e histórico.