Mundo & História
Panda-esqueleto-do-mar: cientistas descobrem nova espécie marinha | Mundo & História
Reprodução/CNN

Panda-esqueleto-do-mar: cientistas descobrem nova espécie marinha

Esta é a primeira vez que os cientistas estudam a minúscula criatura marinha, a mais nova espécie do Japão.

Cientistas japoneses descobriram uma nova espécie marinha. Trata-se do panda-esqueleto-do-mar, e foi batizado assim pela aparência fofinha, que recorda o rosto de um urso panda. As manchas brancas e compridas, que lembram esqueletos, são os vasos sanguíneos, e as manchas pretas, um padrão do animal. Cada espécime apresenta suas pintas em diferentes tamanhos.

A estatura – que está bem longe da de um panda – foi outro fato que chamou a atenção: o animal mede apenas 2 cm.

Panda-esqueleto-do-mar: o registro do novo animal

O panda-esqueleto-do-mar pertence à família dos tunicados, que são animais marinhos invertebrados, e sua descrição taxonômica formal foi realizada só agora nos últimos dias. Batizado oficialmente de Clavelina ossipandae, o animal foi introduzido no Registro Mundial de Espécies Marinhas (WoRMS) no último dia 17 de fevereiro.

O novo animal classificado é uma pequena ascídia colonial – organismos filtradores que se alimentam de partículas orgânicas em suspensão –, encontrada em colônias de um a quatro zooides.

Entendendo os zooides

Um zooide é uma unidade individual em uma colônia de organismos coloniais, como certas espécies de ascídias, briozoários e hidroides. Cada zooide é capaz de realizar funções vitais independentes, como alimentação, reprodução e movimento, mas está conectado a outros zooides na colônia, compartilhando recursos e comunicação através de estruturas especializadas. Em resumo, um zooide é uma unidade funcional de um organismo colonial.

Novas espécies de polvos

Já aqui nas Américas, também recentemente novas espécies de polvos foram encontradas na costa do Pacífico da Costa Rica. Uma equipe internacional de pesquisadores encontrou os novos cefalópodes durante duas expedições realizadas em 2023, a bordo do navio de pesquisa oceanográfica R/V Falkor.

Quatro novas espécies de polvos são descobertas na Costa Rica | Mundo & História
(Divulgação/Schmidt Ocean Institute)

A descoberta tem também um valor geográfico e biológico: segundo o Instituto Schmidt, que comandou a expedição, essa é uma das primeiras vezes que todos os espécimes biológicos serão armazenados no país latino-americano de onde foram adquiridos no fundo do mar, em vez de serem enviados para os Estados Unidos ou para a Europa. Manter os espécimes na Costa Rica permitirá aos cientistas locais acessarem facilmente amostras para pesquisas.

Mais sobre vida marinha

Peixes-elétricos: pesquisadores fazem expedição de busca na Amazônia
Tipo raro de bagre dourado é descoberto no Parque da Tijuca
Caranguejos estão vestindo o lixo descartado pelo homem
Mineração no fundo do mar: Noruega aprova prática controversa

Mundo & História está no Instagram, WhatsApp, X, Facebook, Telegram e Google Notícias. Não deixe de nos acompanhar por lá!

Mario Cavalcanti

Jornalista pioneiro no campo da internet brasileira, Mario Cavalcanti começou a trabalhar com conteúdo online em 1996, tendo passado por portais de destaque como Cadê?, StarMedia Brasil, iBest, Globo.com e Click21. Gosta de assuntos como mistérios, criptozoologia, expedições e descobertas científicas. É editor do portal Mundo & História e também coeditor da revista de contos Histórias Extraordinárias, da Editora Mundo.

Do passado ao futuro. Dos confins do universo às profundezas do mar. Mundo & História é um portal de notícias focado essencialmente em conteúdos de teor científico, curioso e histórico.