Mundo & História
Fósseis sul-africanos revelam detalhes de um temido mamífero predador | Mundo & História
Fósseis do Inostrancevia descobertos na na África do Sul / Jennifer Botha

Fósseis sul-africanos revelam detalhes de um temido mamífero predador

Descobertas contam a história de um precursor e curioso mamífero, o Inostrancevia, que fez uma imensa migração para tentar sobreviver.

Os fósseis de um insólito dente-de-sabre que viveu durante o pior evento de extinção em massa na Terra estão revelando como as coisas eram instáveis para os animais durante a chamada “Grande Morte”. Um registro fóssil funciona como uma espécie de cápsula do tempo, e os ossos revelam os diversos animais que lutaram pela sobrevivência à medida que seus ambientes mudavam ao seu redor. Uma dessas criaturas era o Inostrancevia, um ancestral mamífero do tamanho de um tigre que, com a pele semelhante a de um rinoceronte ou elefante, parecia um réptil.

Os cientistas descobriram pela primeira vez os fósseis de dois espécimes dessa criatura em 2010 e 2011 na Bacia de Karoo, na África do Sul. Depois de anos preparando os fósseis – limpando-os, juntando-os como um quebra-cabeça e estabilizando-os com picaretas e brocas – os pesquisadores puderam finalmente estudar o animal em detalhes.

A migração não pecável do Inostrancevia

Os grandes fósseis, incluindo crânios, vértebras, costelas e ossos das pernas, surpreenderam a equipe, pois pareciam dizer respeito ao Inostrancevia, um dos primeiros predadores dente-de-sabre do planeta, cujos fósseis só haviam sido encontrados na Rússia. Os resultados da investigação foram publicados na revista científica Current Biology.

“Todos os grandes predadores do topo no final do Permiano, na África do Sul, foram extintos bem antes da extinção em massa do fim do Permiano. Soubemos que essa vaga no nicho foi ocupada, por um breve período, pelo Inostrancevia”, disse a coautora do estudo, Pia Viglietti, pesquisadora do Field Museum, em Chicago, em comunicado. “Os fósseis em si eram bastante inesperados”, conta.

Fósseis sul-africanos revelam detalhes de um temido mamífero predador | Mundo & História
Imagem ilustrativa por Marcos Celeskey

Nos últimos 100 anos, os cientistas pensaram que o Inostrancevia vivia apenas no Hemisfério Norte, e um grupo diferente de predadores ancestrais de mamíferos vivia reinando no Hemisfério Sul. Mas não foi bem assim. Habitando durante uma época de imensa agitação, o Inostrancevia conseguiu migrar 7 mil milhas através do supercontinente Pangeia e se tornar um predador em um ambiente diferente antes de eventualmente ser extinto.

Leia também: Fóssil de dinossauro encontrado na Argentina é um dos maiores da História

“Quando as coisas começaram a ficar ruins, nos estágios iniciais do que se tornaria a pior extinção em massa da história da Terra, o grupo do sul morreu. E a espécie do norte, o Inostrancevia, aparentemente se moveu para preencher essa lacuna”, disse o autor correspondente do estudo, Christian Kammerer, curador de paleontologia do Museu de Ciências Naturais da Carolina do Norte e pesquisador associado do Field Museum. “Como dizem, a natureza abomina um vácuo – se houver um ponto aberto em um ecossistema e os recursos para suportá-lo, a vida encontrará um caminho. Infelizmente para o Inostrancevia as coisas rapidamente se tornaram tão ruins para ela (e a maioria dos outros organismos) também, desaparecendo”, explica.

Lacunas na história do Inostrancevia

Os fósseis da Rússia e da África do Sul contam parte da História do Inostrancevia, mas os pesquisadores querem saber o que aconteceu durante essa vasta migração entre as duas áreas. Outros sítios fósseis promissores no norte da África poderiam preencher essas lacunas de conhecimento e revelar mais informações sobre como os animais viviam.

Fósseis sul-africanos revelam detalhes de um temido mamífero predador | Mundo & História
Fósseis do Inostrancevia descobertos na na África do Sul / Jennifer Botha

“Os protomamíferos são um grupo estranho de organismos, não exatamente reptilianos, mas ainda não mamíferos, e pode ser difícil imaginar como eles realmente funcionaram, e é por isso que bons fósseis e um estudo detalhado deles são tão cruciais”, disse Kammerer.

Biodiversidade e crise climática: aprendendo com o passado

Estudar o que ocorreu durante a maior perda de biodiversidade da Terra há milhões de anos pode funcionar como um espelho para o que está acontecendo globalmente agora devido à crise climática, disseram os pesquisadores.

“É sempre bom entender melhor como os eventos de extinção em massa afetam os ecossistemas, especialmente porque o Permiano é basicamente um paralelo sobre o que estamos passando agora”, disse Viglietti.

“Nós realmente não temos nenhum análogo moderno do que esperar com a extinção em massa acontecendo hoje, e o evento de extinção em massa Permo-Triássico representa um dos melhores exemplos do que poderíamos experimentar com nossa crise climática e extinção”, explica a cientista.

Via CNN.com.

Mundo & História está no Instagram, WhatsApp, X, Facebook, Telegram e Google Notícias. Não deixe de nos acompanhar por lá!

Mario Cavalcanti

Jornalista pioneiro no campo da internet brasileira, Mario Cavalcanti começou a trabalhar com conteúdo online em 1996, tendo passado por portais de destaque como Cadê?, StarMedia Brasil, iBest, Globo.com e Click21. Gosta de assuntos como mistérios, criptozoologia, expedições e descobertas científicas. É editor do portal Mundo & História e também coeditor da revista de contos Histórias Extraordinárias, da Editora Mundo.

Do passado ao futuro. Dos confins do universo às profundezas do mar. Mundo & História é um portal de notícias focado essencialmente em conteúdos de teor científico, curioso e histórico.