Mundo & História
Astrônomo italiano descobre buraco negro mais antigo já visto | Mundo & História
Fotografia de buraco negro na Via Láctea. (ANSA)

Astrônomo italiano descobre buraco negro mais antigo já visto

Estrutura remonta a 400 milhões de anos após Big Bang; buraco negro está devorando mais vorazmente que ‘parentes’ de épocas posteriores.

(ANSA) – Benedetta Bianco – O buraco negro mais antigo já descoberto tem 13 bilhões de anos e foi observado graças ao telescópio espacial James Webb, da Nasa, à Agência Espacial Europeia (ESA) e à Agência Espacial Canadense (CSA).

Este buraco negro remonta a apenas 400 milhões de anos após o Big Bang. A descoberta, publicada na revista Nature, foi feita por um grupo internacional de pesquisadores liderados pelo italiano Roberto Maiolino, da Universidade britânica de Cambridge, que inclui outros italianos trabalhando no exterior e teve a contribuição da Escola Normal Superior de Pisa.

O objeto observado é surpreendentemente massivo para o universo primordial, com dimensões que alcançam algumas milhões de vezes a massa do nosso Sol, questionando assim as teorias atuais sobre como os buracos negros se formam e crescem.

“Os novos dados obtidos excluíram algumas das teorias mais convencionais sobre a formação desses buracos negros, sendo necessário desenvolver novas teorias”, disse Maiolino à ANSA.

“Dois cenários são mais plausíveis: os buracos negros podem ter nascido já muito massivos, possivelmente devido ao colapso gravitacional de enormes nuvens de gás primordial. Alternativamente, os primeiros buracos negros podem ter se formado pelo colapso das primeiras estrelas, sendo inicialmente pequenos e crescendo rapidamente, a uma taxa muito mais alta do que previsto pelas hipóteses anteriores”, continuou.

Buraco negro devorando vorazmente

Os astrônomos acreditavam que os buracos negros supermassivos encontrados no centro de galáxias como a Via Láctea haviam crescido até as dimensões atuais ao longo de bilhões de anos.

No entanto, o universo ainda não tinha nem mesmo 1 bilhão de anos na época em que esse buraco negro já estava completamente formado.

Leia também: Ariel, o telescópio espacial que irá analisar mil exoplanetas

Como todos os buracos negros, o recém-descoberto está consumindo material da galáxia que o abriga para alimentar seu crescimento.

No entanto, o protagonista desse estudo parece estar devorando material muito mais vorazmente do que seus “parentes” nascidos em épocas posteriores.

A jovem galáxia hospedeira, chamada GN-z11, brilha intensamente devido ao seu “energético” inquilino. GN-z11 é uma galáxia compacta, cerca de cem vezes menor que a Via Láctea, mas parece que o buraco negro está comprometendo seu desenvolvimento, devorando uma quantidade excessiva de gás em um processo que acabará por matar também o próprio buraco negro, eliminando sua fonte de “alimento”.

Leia também: NASA quer perfurar luas para procurar por vida alienígena

Os pesquisadores agora esperam utilizar futuras observações para buscar pequenas “sementes” de buracos negros, o que pode esclarecer os processos de formação.

“Existem vários programas observacionais que têm o objetivo de encontrar buracos negros ainda mais antigos. É provável que nos próximos anos, talvez até nos próximos meses, objetos ainda mais antigos que o recentemente descoberto sejam revelados”, comentou Maiolino. (ANSA).

Mundo & História está no Instagram, WhatsApp, X, Facebook, Telegram e Google Notícias. Não deixe de nos acompanhar por lá!

Mario Cavalcanti

Jornalista pioneiro no campo da internet brasileira, Mario Cavalcanti começou a trabalhar com conteúdo online em 1996, tendo passado por portais de destaque como Cadê?, StarMedia Brasil, iBest, Globo.com e Click21. Gosta de assuntos como mistérios, criptozoologia, expedições e descobertas científicas. É editor do portal Mundo & História e também coeditor da revista de contos Histórias Extraordinárias, da Editora Mundo.

Do passado ao futuro. Dos confins do universo às profundezas do mar. Mundo & História é um portal de notícias focado essencialmente em conteúdos de teor científico, curioso e histórico.