Mundo & História
Pele fossilizada semelhante à de crocodilo é a mais antiga já descoberta | Mundo & História
Mooney e colaboradores/Current Biology

Pele fossilizada semelhante à de crocodilo é a mais antiga já descoberta

Com pelo menos 286 milhões de anos, pele pode ajudar a resolver mistérios sobre como répteis e mamíferos se separaram na história evolutiva.

Pesquisadores descobriram uma pele fossilizada que dizem ser a mais antiga registrada. Semelhante à de crocodilo e com pelo menos 286 milhões de anos, o item foi preservado em uma antiga caverna no atual estado de Oklahoma. A descoberta pode ajudar a desvendar mistérios evolutivos e é uma pista importante de uma época em que alguns animais estavam fazendo a transição para a vida em terra.

“Encontrar uma pele fossilizada tão antiga é uma oportunidade excepcional de olhar para o passado e ver como a pele de alguns desses animais mais antigos poderia ter sido”, disse Ethan Mooney, estudante de pós-graduação na Universidade de Toronto e autor principal do artigo, em um comunicado de imprensa.

A descoberta, publicada na quinta-feira (11) no periódico científico Current Biology, foi feita em uma pedreira e sistema de cavernas chamado Richards Spur. Os pesquisadores acreditam que os animais caíram no sistema de cavernas e foram preservados pelo óleo e alcatrão que se infiltraram, os envolvendo.

“Há muito poucos casos de animais terrestres do Paleozoico com pele preservada”, disse Paul Olsen, paleontólogo e professor da Universidade de Columbia, que não estava envolvido no artigo. “Essa é uma das razões pelas quais isso é tão importante.”

Pele pode ajudar a resolver mistérios na história evolutiva

A pele preservada foi encontrada em um local com muitos fósseis de criaturas parecidas com lagartos chamadas Captorhinus aguti, mas não estava claramente associada a um esqueleto específico.

Olsen disse que a pele pode ajudar a resolver mistérios sobre como répteis e mamíferos se separaram na história evolutiva. As duas linhagens da vida compartilham um ancestral comum.

Leia também: Pesquisadores chineses anunciam espécie de pterossauro

“Eles levantam a hipótese de que a pele semelhante à de réptil estava presente no ancestral comum de répteis e mamíferos, mas não conseguem demonstrar isso com o material que possuem, pois sua pele semelhante à de réptil não está associada a um esqueleto”, disse Olsen sobre os autores. “O local pode revelar isso no futuro.”

“Eles levantam a hipótese de que a pele semelhante à de répteis estava presente no ancestral comum de répteis e mamíferos, mas não podem realmente provar isso com o material que têm, pois sua pele semelhante à de réptil não está associada a um esqueleto”, disse Olsen sobre os autores. “O local pode revelar isso no futuro.”

Via NBC News.

Mundo & História está no Instagram, WhatsApp, X, Facebook, Telegram e Google Notícias. Não deixe de nos acompanhar por lá!

Mario Cavalcanti

Jornalista pioneiro no campo da internet brasileira, Mario Cavalcanti começou a trabalhar com conteúdo online em 1996, tendo passado por portais de destaque como Cadê?, StarMedia Brasil, iBest, Globo.com e Click21. Gosta de assuntos como mistérios, criptozoologia, expedições e descobertas científicas. É editor do portal Mundo & História e também coeditor da revista de contos Histórias Extraordinárias, da Editora Mundo.

Do passado ao futuro. Dos confins do universo às profundezas do mar. Mundo & História é um portal de notícias focado essencialmente em conteúdos de teor científico, curioso e histórico.